O empresário e ex-jogador, Martinho de Almeida, é acusado de destruir machambas, campas e usurpar terrenos de nativos do bairro Samora Machel, no distrito de Marracuene, e em causa estão cerca 50 hectares.

Entretanto o indiciado diz que o terreno lhe pertence e deu emprestado aos camponeses para cultivo.

O empresário pretende reaver o seu espaço por alegadamente não estar a ser explorado devidamente e começou a desbravar a mata existente. Entretanto, os nativos mostram se inconformados porque segundo eles na mesma terra existem campas dos seus ente queridos, e machambas que estão a ser destruídas sem pré-aviso.

Em contacto com a nossa equipe de reportagem o indiciado disse que as terras lhe pertencem e pretende reaver porque muitos camponeses nada fazem.

Martinho de Almeida acrescentou ainda que é dono dessas terras desde 1984 e foi atribuído DUAT pelas autoridades.

O País