No lançamento do Plano Estratégico do Gabinete Central de Combate à Corrupção, o Presidente da República afirmou que pessoas não são corruptas por serem pobres, mas tornam-se pobres por serem corruptas.

A corrupção constitui uma urgência a combater, considera o Presidente da República, que exige medidas implacáveis na luta contra o fenómeno.

Filipe Nyusi lembra que o Plano Estratégico do Gabinete Central de Combate à Corrupção, lançado hoje, não será a solução definitiva para erradicar os actos corruptos.

A directora do Gabinete Central de Combate à Corrupção diz que o Plano ora lançado vai reforçar as medidas de prevenção e combate à corrupção, melhorando as leis, promovendo a denúncia e envolvendo várias instituições no combate aos actos corruptos.

Lembre-se, a corrupção lesou o Estado moçambicano em perto de 500 milhões de meticais no ano passado.

O Plano Estratégico de Combate à Corrupção está orçado em mais de 500 milhões de meticais, sendo a União Europeia um dos financiadores. Entretanto esta organização diz que tem um pacote global de 700 milhões de meticais, mas exige transparência.

O Plano Estratégico do Gabinete Central de Combate à Corrupção tem a duração de cinco anos, isto é, de 2018 a 2022.

O País