Jornalistas e demais quadros de produção da Televisão Independente de Moçambique (TIM) estão, desde terça-feira, em greve reclamando oito meses de salário em atraso, o que levou à suspensão da emissão do sinal daquela estação, noticiou a AIM.

A actual paralisação segue-se a de finais de Janeiro, levantada na promessa de pagamento das dívidas até 28 de Fevereiro, algo, entretanto, não cumprido pela entidade patronal, agora liderada pelos jornalistas Alfredo Júnior, Alexandre Rosa e Albino Mondlane.

Segundo o “Notícias” na sua edição deste sábado, o porta-voz dos cerca de 100 trabalhadores, Paulo Chimane, recordou que os incumprimentos são antigos.

Por exemplo, a 23 de Dezembro, as partes assinaram um acordo sob observação da Comissão de Mediação e Arbitragem Laboral (COMAL), nos termos do qual os gestores se comprometeram a pagar os ordenados até 23 de Janeiro.

Alguns de nós fomos despejados das casas que arrendávamos, outros só estão à espera do dia em que os proprietários irão mandá-los embora”, disse um dos trabalhadores, citado pelo jornal.

Zacarias Timbana, director dos Recursos Humanos da TIM, disse que o patronato está a envidar esforços para pagar os salários o mais rápido possível.

Não foi pago porque ainda não foi possível, não conseguimos dinheiro, mas acreditamos que vai aparecer”, disse.

A promessa que os trabalhadores tinham de receberem os ordenados sexta-feira também não se concretizou.

Angop