A Inspecção do Trabalho na cidade de Maputo suspeita que a causa da queda e consequente morte de André Macamo, servente de pedreiro na obra Niassa Residence, na Avenida 24 de Julho, foi a retirada dos andaimes de protecção exteriores antes de recolher os interiores.

Este dado preliminar foi avançado pela inspectora-chefe da cidade, Maria Meque, com base na informação recolhida numa visita efectuada ao local poucas horas depois do acidente.

A Inspectora avançou que os resultados finais serão divulgados logo que houver a conciliação dos dados que estão a ser recolhidos no terreno por uma equipa multissectorial destacada para o efeito.

Para além de elementos da Inspecção da Direcção do Trabalho da Cidade, estão integrados na equipa inspectores da Direção das Obras Públicas de Maputo.

Maria Meque esclareceu que o malogrado era servente de pedreiro e não pedreiro como havia sido avançado na terça-feira, dia do acidente.

Acrescentou ainda que a camioneta que levou o corpo do malogrado pertencia à Langa Construções, outra construtora envolvida na empreitada, para a qual trabalhava o jovem havia nove meses.

De acordo com um dos colegas na obra, o malogrado tinha recebido ordens do seu mestre para recolher andaimes interiores, que na sua óptica estariam no quinto andar do edifício.

Não tendo localizado o material, a alternativa foi deslocar-se ao 24º andar, onde a protecção exterior dos andaimes havia sido já desmontada. Foi ao tentar retirar uma das pranchas que André Macamo, 23 anos, acabou caindo.

Refira-se que um dos aspectos que causou perplexidade aos colegas foi a prontidão com que o corpo foi movimentado, inclusive, antes da chegada da Polícia.

André Macamo, que residia com os pais no bairro de Magoanine C, em Maputo, deixa viúva e filha menor.

Jornal Notícias