O uso de cábulas durante o “Gaokao” chinês, o maior exame de acesso à universidade do mundo, passou a ser um crime punido com pena de prisão até sete anos.

Esta medida insere-se numa campanha das autoridades contra esquemas fraudulentos, que vão desde o uso de lembretes até sofisticados métodos, num teste de conhecimento considerado “crucial à meritocracia chinesa”.

Pelas contas do Governo chinês, de um total de quase dez milhões de adolescentes que esta semana se submetem ao ‘Gaokao’, apenas 3,25 milhões vão conseguir entrar na universidade.

Segundo o Ministério da Educação, nas últimas semanas foram detidos 170 suspeitos e apreendidas seis mil peças de material, incluindo informação sobre o exame comercializada ‘online’ e equipamento utilizado para copiar.

De acordo com relatos na imprensa local, com base em 84 casos ouvidos em tribunal entre 2012 e 2015, os produtos e dispositivos utilizados por cábulas variam entre relógios, auscultadores e t-shirts com receptores, até equipamento usado em espionagem.

A contratação de substitutos que se fazem passar pelo candidato, um dos esquemas mais recorrentes nos últimos anos, tem também sido alvo de maior controlo pelas autoridades, destacou a agência oficial chinesa Xinhua.

Em setembro passado, 42 pessoas foram punidas por organizar um esquema fraudulento na província de Jiangxi, sul do país, incluindo 22 funcionários do Governo.

Jornal de Notícias