Moçambique passa a fazer cirurgias para o tratamento da impotência sexual masculina, numa altura em que 20 a 30 porcento das consultas externas acusam sintomas de impotência sexual.

O médico-especialista em Urologia, no Hospital Central de Maputo, Ígor Vaz, citado pela Rádio Moçambique, disse que as cirurgias incluem a colocação de próteses em homens com problemas de erecção, uma técnica aplicada pela primeira vez no país. Ígor Vaz disse que as técnicas cirúrgicas permitem que os indivíduos que não têm erecção poderem tê-la e satisfazerem os seus parceiros sexuais.

Segundo Vaz, são técnicas muito antigas, Moçambique ainda não tinha introduzido, por falta de condições, mas que a partir de agora vai introduzir.

Neste momento, apenas dois indivíduos beneficiaram desta técnica, por sinal cara, que os custos variam de cinco mil a trinta mil dólares norte-americanos. As cirurgias estão a ser efectuadas no Hospital Central de Maputo.

Ígor Vaz falava esta quinta-feira em Maputo, à margem de um seminário sobre a Cirurgia Urológica Reconstrutiva, no qual participam 45 médicos especialistas estrangeiros e quinze nacionais, explicou que o Sistema Nacional de Saúde não está em condições de introduzir, de forma regular, próteses, devido ao seu elevado custo.

Na abertura do seminário, a Ministra da Saúde, Nazira Abdula, apelou aos médicos urologistas a procurarem soluções técnico-científicas para os problemas que afectam os países em desenvolvimento, com destaque para as fístulas obstétricas.

Segundo Nazira Abdula, a partilha de informação e a troca de experiências permanente, contribuem em grande medida para a redução das diferenças entre os países e ajuda, em última instância, para a melhoria da qualidade da prestação dos serviços aos utentes.