Os moradores do bairro do Chamanculo “D” queixam-se de vários crimes perpetrados frequentemente por marginais, sob o olhar impávido da Polícia da República de Moçambique (PRM).

A zona do Vulcano, onde se localiza o campo do Zixaxa, é destacada como sendo o local mais perigoso, principalmente na calada da noite, momento em que os malfeitores assaltam, espancam e violam sexualmente as suas vítimas.

Testemunhas revelaram que nos últimos dias a situação tende a piorar, uma vez que os criminosos já se aperceberam que se trata de uma zona vulnerável.

“Isto está um Deus nos acuda. Os bandidos não têm clemência e aterrorizam as pessoas que por aqui passam. Iniciam as suas investidas por volta das 18h00 e vão até às 04h00 da matina”, disse um segurança da Empresa Delta, que falou na condição de anonimato.

“Ontem estavam a violar uma senhora enquanto um carro de patrulha da PRM passava por aqui, mas nem com os gritos ensurdecedores de socorro a corporação moveu-se para ajudar”, denunciou.

PRMl2

Alguns jovens que vivem no bairro afirmam ter-se reunido para discutir uma forma de erradicar a criminalidade, mas o que foi acordado não se tornou ainda efectivo.

“Primeiro reunimo-nos com o secretário do bairro e ficou decidido que faríamos policiamento comunitário, mas quando as pessoas apercebem-se de movimentos estranhos, continuam nos seus cantos, temendo sofrer agressão”, contou Salimo, morador do bairro, relatando episódios de puro terror vividos naquele local.

“Já vi mulheres serem violadas por mais de três homens, senhoras de idade serem massacradas e homens serem barbaramente espancados por não possuírem bens materiais”.

Os moradores afirmam que a polícia limita-se a esconder-se nas esquadras, quando não, concentram-se para a prática da corrupção.

“A polícia não faz nada. Quando os agentes saem das esquadras, costumam concentrar-se nesta rua para extorquir dinheiro a alguns automobilistas que por aqui transitam”.

Refira-se que o bairro do Chamanculo é conhecido pelo seu alto nível de criminalidade, apesar de albergar no seu espaço várias esquadras de polícia.