O Tribunal Regional de Graskop, na região de Sabie, Província de Mpumalanga, África do Sul, considerou Lloyd Mabuza culpado das acusações segundo as quais o empresário sul-africano do ramo madeireiro traficou e explorou sexualmente cinco crianças moçambicanas e condenou-o à prisão perpétua.

Mabuza, de 62 anos, casado e pai de quatro filhos, já está preso e assim permanecerá durante o resto da sua vida.

O empresário mantinha as meninas cativas numa casa, de uma área remota de Sábie, e tratava as cinco crianças como suas escravas sexuais. As crianças foram levadas para território sul-africano pela sua tia, de nacionalidade moçambicana, que até agora encontra-se foragida, presumivelmente em Moçambique.

Segundo as autoridades sul-africanas, as violações sexuais eram sistemáticas e aconteceram entre os anos 2009 e 2012.

O julgamento começou em Janeiro de 2013 e, no banco dos réus, duas pessoas: Lloyd Mabuza e uma jovem moçambicana, acusada de ser cúmplice do empresário sul-africano.

Fonte: RM