O Serviço Nacional de Saúde (SNS) já dispõe de um Centro de Referência Nacional de Sangue, que deverá melhorar a qualidade da colheita, testagem, processamento e armazenamento do sangue no país.

O centro, que foi inaugurado na manhã desta segunda-feira (22), teve o co-financiamento dos governos de Moçambique e Estados Unidos da América (EUA) e funcionará no Hospital-Geral de Mavalane (HGM) com o objectivo de conferir maior dinâmica ao Programa Nacional de Transfusão de Sangue (PNTS), estabelecendo práticas seguras à actividade.

Segundo o Ministro da Saúde, Alexandre Manguele, este Centro permitirá a mudança da abordagem de serviços essencialmente baseados em hospitais e que, por hora, encontram-se dispersos, num sistema autónomo “a inauguração deste centro visa mudar o paradigma na área da medicina tranfusional no país, tornando-a centralizada e em rede, de forma a garantir melhor qualidade, segurança, disponibilidade e poupança nos recursos”, disse Manguele.

Por seu turno, Olegário Muanantatha, director do Centro Nacional de Referência de Sangue, referiu que a construção desta infra-estrutura surge num momento em que se impõem práticas de transfusão seguras, de molde a evitar transmissão de doenças como o HIV/Sida e tuberculose.

“Pretendemos garantir que a testagem seja feita de uma maneira aceitável e sem dispersão de recursos. Para tal, existe a necessidade de conferir qualidade na colheita deste líquido”, explicou Muanantatha.

Refira-se que este é o primeiro serviço de sangue a dispor de uma comodidade de referência mundial, com tecnologia de ponta para a avaliação e análise do sangue, processamento e entrega às unidades sanitárias.

“Nós antes colhíamos uma bolsa e tínhamos problemas de fazer o processamento, isto porque a partir do sangue é possível obter três componentes terapêuticos. O laboratório do centro vai fazer a testagem e o apuramento de diversas características sanguíneas”, acrescentou.

O centro comporta elementos obrigatórios num serviço de transfusão sanguínea com enfoque para três salas de inquérito, uma sala para aconselhamento para casos de detecção de doenças e anomalias patológicas.

A unidade dispõe ainda de uma sala de colheita de sangue, um departamento de processamento, onde se faz a separação do sangue consoante a parte que se pretende, quer sejam glóbulos vermelhos para casos de doentes anémicos, plasma e as plaquetas