O mercado grossista do Zimpeto, arredores da cidade de Maputo, tem sido alimentado nas últimas semanas com produtos frescos de produção nacional, com maior enfoque para o tomate, que tem registado uma ligeira descida de preço.

Para além dos produtos frescos como o tomate, repolho, pimento, pepino e feijão verde, o mercado está sendo abastecido, de igual modo, com a batata proveniente dos distritos de Moamba, na província de Maputo, e Chókwè, em Gaza.

Dos produtos frescos, o tomate é o mais procurado e dependendo da sua qualidade, onde uma caixa de 20 quilos varia de 100 a 150 meticais.

“Neste momento que a produção nacional está em alta temos recebido entre 60 a 80 camiões de tomate em dias de bom abastecimento no mercado”, disse Moisés Covane, administrador do Mercado Grossista do Zimpeto.

Apesar da boa produção nacional, o mercado continua a ser abastecido por produtos importados, pois “ a produção nacional não cobre a totalidade do abastecimento do mercado, continuando assim a depender da importação”, avançou a fonte.

Um dos exemplos da dependência das importações dos produtos da África do Sul é a batata e a cebola, produtos que não registam grandes oscilações a nível do preço, segundo o administrador do Mercado Grossista do Zimpeto.

“Um saco de 10 quilogramas de batata importada custa entre 160 a 220 meticais, mas se for nacional, o preço oscila entre 140 a 160 meticais”, disse.

O feijão verde é o produto que teve um agravamento de preço, passando a custar 35 a 50 meticais o quilograma, devido ao fraco abastecimento do produto, facto originado pela redução da colheita do mesmo.

Refira-se que o mercado grossista do Zimpeto é o maior da cidade de Maputo e abastece não só os mercados da região sul bem como da região centro, concretamente a província de Sofala que tem se beneficiado do tomate vendido naquele mercado.