Início Economia Agricultura IIAM revela avanços no sector Agrário

IIAM revela avanços no sector Agrário

Iniciou esta quarta-feira (10), no Campus do Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM), a 5ª Reunião Anual da Plataforma de Investigação Agrária e Inovação Tecnológica.

Com o lema “Transformando a Vida dos Agricultores Através da Investigação e Extensão”, o evento, que terá a duração de três dias, reuniu diversas personalidades para falar da importância da inovação tecnológica na actividade agrícola em Moçambique.

No discurso de abertura, o director geral do IIAM, Paulo Adolfo salutou o apoio prestado pelo Brasil e Pelos Estados Unidos da América na melhoria do estágio de segurança alimentar em Moçambique que no momento, segundo afirma a fonte, esta num estágio melhorado.

 ” O estudo básico feito recentemente sobre a avaliação da situação de segurança alimentar, mostra claramente que houve uma redução no que tange a insegurança alimentar, tendo passado de trezentas mil pessoas para cento e cinquenta mil,”explicou paulo Adolfo.

A fonte acrescenta ainda que durante os últimos cinco anos, foram libertados diversas variedades, que resistem a pragas doenças como reforço ao aumento da produtividade que mostra-se gritante no país.

 Na ocasião, Paulo Adolfo exaltou os resultados alcançados neste periodo principalmente em culturas como soja, feijão, batata-doce de polpa alaranjada entre outros.

Por seu turno o representante dos estados unidos Tom Walter disse que o sector agrícola em Moçambique é uma prioridade para eles pois representa a base para aumento de rendimento familiar e da pobreza.

Tom Walter referiu ainda que os Estados Unidos investem cerca de dezoito milhões de dólares para a formação de cientistas moçambicanos e a fortalecer instituições ligadas a área agrícola.

“Podemos falar agora que as estatisticas mostram resultados impressionantes em termos da produção de certas culturas que figuram importantes para sobrevivência dos moçambicanos”. disse.

Artigo anterior“Governo tem condições para cobrir o valor para implementação da lei da cessação das hostilidades”
Próximo artigoPorto da Beira manuseará 70 mil toneladas de pescados