Início Economia Abastecimento de agua: Governo vai lançar um novo concurso público internacional

Abastecimento de agua: Governo vai lançar um novo concurso público internacional

Um novo concurso público internacional, destinado a apurar o empreiteiro que vai concluir as obras de reabilitação do sistema de abastecimento de água na cidade de Nacala, província de Nampula, norte de Moçambique, vai ser lançado em Outubro próximo pelo Governo moçambicano.

O director do Millennium ChalengeAccount Moçambique (MCA), João Fumane, que revelou esta informação, explicou que o lançamento do novo concurso surge pelo facto de a sua instituição, por sinal financiadora das obras, ter interrompido a meio as primeiras obras iniciadas em 2008 por falta de qualidade.

E por via disso, será lançado um novo concurso público de modo a encontrar-se uma nova empresa que irá executar as obras com qualidade e dentro dos prazos estabelecidos pela lei que são 18 meses, ou seja, um ano e meio.

Fumane explicou ainda que o processo de procurement, ou seja, de selecção do novo empreiteiro terá a duração de seis meses, o que significa que a assinatura do contrato com a nova empresa para o arranque das obras terá lugar em meados do próximo ano.

No entanto, Fumane recusou-se a revelar os valores envolvidos, alegadamente para não violar as regras do concurso.

As obras compreenderam primeiro na reabilitação da barragem de Nacala de modo a aumentar-se a capacidade de abastecimento do preciso líquido à cidade de Nacala em mais de 57 por cento e em segundo lugar na reabilitação de todo o sistema de distribuição de água, visando garantir que mais residentes tenham acesso a este líquido vital à vida humana 24 horas por dia.

Desta vez, as obras serão financiadas pelo Governo moçambicano, mas, segundo Fumane, a fiscalização será feita pelo MCA de modo a manter o rigor do controlo na gestão dos fundos bem como de qualidade das obras.

Refira-se que a reabilitação do sistema de abastecimento de água da cidade de Nacala insere-se no âmbito dos desafios do milénio visando a redução da pobreza em mais de três terços até 2015.

Artigo anteriorFrelimo fala de “manobras dilatórias da Renamo para inviabilizar eleições”
Próximo artigoPepetela: Moçambique pode aprender “dos erros de Angola