Li Chinchua, embaixador extraordinário e plenipotenciário da República Popular da China em Moçambique, foi o subscritor do referido protocolo.

Na ocasião, Chinchua manifestou a sua satisfação em proceder à assinatura do protocolo, acreditando que, mesmo sendo antiga, a relação de cooperação entre os dois países é excelente e tende a ser reforçada e ampliada.

Reiterou o seu compromisso de tudo fazer para o crescimento desta cooperação com Moçambique, especificamente no domínio da Defesa.

O embaixador chinês disse ser uma grande honra poder trabalhar em Moçambique, um país amigo com o qual a China sempre manteve relações de amizade profunda.

China concede apoio suplementar às FADM

“Estou disposto a fazer de tudo para intensificar a nossa amizade e aprofundar a cooperação na área militar”, acrescentou Li Chinchua.

Por seu turno, o Ministro da Defesa Nacional, Filipe Nyusi, comungou da intervenção de Li Chinchua, acreditando que a cooperação entre ambos países está em óptimo estágio. Fez igualmente referência às áreas em que a cooperação se faz sentir, com especial destaque para o recente apoio na área de logística de produção e o apetrechamento com equipamento moderno do Hospital Militar de Maputo.
Filipe Nyusi disse sentir-se honrado pela coincidência da primeira aparição do novo embaixador chinês com a assinatura do memorando, deixando ficar a sua felicitação de boas-vindas e “… bom trabalho neste país e esperamos que durante o seu mandato a cooperação entre os dois exércitos continue a fluir mais”, disse o titular da pasta da Defesa.

O protocolo suplementar assinado entre os dois países visa apoiar às Forças Especiais (Comandos) em material logístico e de aquartelamento de forma a que esta unidade militar possa cumprir as suas missões em excelentes condições de trabalho e habitação.