Destaque Ramaphosa pede apoio aos EUA para combater o terrorismo em Moçambique

Ramaphosa pede apoio aos EUA para combater o terrorismo em Moçambique

Em visita oficial de três dias aos Estados Unidos da América, o Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, pediu ao Presidente norte-americano, Joe Biden, mais apoio no combate ao terrorismo em Cabo Delgado e Nampula. 

Cyril Ramaphosa foi aos Estados Unidos da América para reforçar a cooperação entre o seu Governo e o americano. Mas a agenda internacional também dominou as conversações com o Presidente norte-americano, com especial destaque para o combate ao terrorismo no Norte de Moçambique, para onde a África do Sul tem um contingente militar.

“Também discutimos matérias sobre segurança global, estabilidade e segurança. Especificamente discutimos sobre os ataques insurgentes que ocorrem em Moçambique. E convidamos os Estados Unidos a liderar a resolução deste conflito. Porque, se não sabem, a África do Sul pode ser o próximo alvo, por isso precisamos de recursos. A África do Sul é agora o maior contribuinte em termos de tropas a par do Ruanda… numa base bilateral. E este foi bem recebido e mais conversações terão que acontecer para que isso aconteça e termos os EUA nesta matéria”, disse Ramaphosa, citado pelo O País.

Ramaphosa pediu ainda aos Estados Unidos da América o relaxamento das sanções contra o Zimbabwe e a liberdade de o continente africano escolher os seus parceiros.

“E vimos que a África não pode ser punida por ter parceiros como a Rússia porque a maior parte, ou muitos países africanos são não-alinhados, e expressamos que é injusto que os EUA punam os países africanos. Também voltamos a falar sobre sanções contra o Zimbabwe, tendo dito que as sanções impostas ao Zimbabwe estão a ter danos colaterais em nós como África do Sul.”