Economia Moçambique reforça de segurança nos aeroportos face aos ataques terroristas

Moçambique reforça de segurança nos aeroportos face aos ataques terroristas

Moçambique reforçou a segurança em “todos os aeroportos” face à acção de grupos armados em Cabo Delgado e em linha com as exigências internacionais, disse à Lusa fonte do Instituto de Aviação Civil de Moçambique (IACM).

“Com certeza que há reforço, as Forças de Defesa e Segurança reforçaram as medidas em todos os aeroportos, isso existe”, disse o presidente do IACM, João de Abreu, em resposta a uma pergunta concreta sobre a influência que a insurgência no Norte tem sobre o resto do País.

Abreu garantiu que os aeroportos moçambicanos estão seguros face a qualquer ameaça de ataque e operam dentro de padrões de segurança certificados por entidades internacionais competentes.

“Todos os aeroportos do País cumprem. As Forças de Defesa e Segurança estão de prontidão”, declarou.

Em matéria de segurança aeroportuária, prosseguiu, “não se negoceia” e as autoridades não podem ser “permissíveis”.

O presidente do IACM avançou que, além do que implica a acção de insurgentes em Cabo Delgado, todos os aeroportos são obrigados a seguir recomendações de segurança emitidas pelas autoridades internacionais de aviação.

“Voltamos a chamar à responsabilidade os aeroportos para o cumprimento das normas. Não é um caso específico do País. São medidas aplicadas em todos os países do mundo”, enfatizou.

Sobre o facto de o Aeroporto Internacional da Beira, província de Sofala, Centro do País, ter anunciado na segunda-feira o reforço das medidas de segurança, João de Abreu disse que a informação se prende com o processo de renovação do certificado internacional que aquela infra-estrutura desencadeou.

“O Aeroporto Internacional da Beira está num processo de renovação da certificação e um dos requisitos é o cumprimento das medidas de segurança. Não se certifica ninguém sem a observância das medidas de segurança”, frisou.

Artigo anteriorMali decreta três dias de luto nacional após morte de 130 pessoas por jihadistas
Próximo artigoGoverno diz estar a trabalhar para permitir maior participação PMEs nacionais na exploração de gás