Início Internacional Consumo de cigarros eletrónicos periga a saúde

Consumo de cigarros eletrónicos periga a saúde

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou para o perigo do consumo de cigarros eletrónicos e outros produtos semelhantes para a saúde, defendendo uma melhor regulamentação.
“A nicotina é muito aditiva e os inaladores eletrónicos de nicotina são perigosos e devem ser melhor regulamentados”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, citado pela agência noticiosa AFP.

A OMS publicou um novo relatório sobre o combate ao tabagismo, elaborado em colaboração com a organização filantrópica Bloomberg Philanthropies, fundada pelo ex-presidente da Câmara de Nova Iorque Michael Bloomberg.

O relatório denuncia que os fabricantes procuram aliciar crianças e adolescentes com milhares de sabores, tendo listado 16 mil, e com declarações tranquilizadoras.

“Uma vez que as vendas de cigarros estão a retroceder, as empresas do tabaco promoveram agressivamente novos produtos, como os cigarros eletrónicos ou produtos à base de tabaco aquecido, e abordaram governos para limitar a sua regulamentação”, acusou o magnata Michael Bloomberg, que criou a Bloomberg, uma empresa de tecnologia e dados para o mercado financeiro.

Segundo o ex-autarca de Nova Iorque, o objetivo da indústria do tabaco é tornar “uma nova geração viciada em nicotina”.

“Não podemos deixar”, exortou.

A OMS advertiu, em particular, para os efeitos nefastos da nicotina no desenvolvimento do cérebro dos mais novos, assinalando que as crianças que consomem cigarros eletrónicos têm mais probabilidade de fumar mais tarde.

De acordo com o relatório, 32 países proíbem a venda de inaladores eletrónicos de nicotina e 79 adotaram pelo menos uma medida para limitar o seu uso, como o fim da sua publicidade. Contudo, 84 países nada fizeram para travar o aumento destes produtos.

FONTEFolha de Maputo
Artigo anteriorÁfrica do Sul vai enviar até 1.495 militares para apoiar no combate ao terrorismo em Cabo Delgado
Próximo artigoIndígenas queimaram estabelecimentos comerciais para cobrar ação contra violência no México