A polícia moçambicana deteve uma mulher suspeita de envenenar a filha menor para forçar o aborto de uma gravidez que resultou de exploração sexual promovida pela própria mãe.

A mulher de 34 anos terá servido à filha uma porção de veneno para ratos e insetos num copo com água, que a aconselhou a beber para se desfazer da gravidez de seis semanas, resultante de última relação, mediada pela própria mãe.

O crime de envenenamento foi registado na terça-feira e a menor teve alta hospitalar no domingo Mateus Mindu, porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM) na província de Manica, centro do país.

“A polícia deteve a mulher por crime de envenenamento, depois de ela ter obrigado a filha a ingerir produtos nocivos para provocar um aborto”, detalhou.

A mulher, prosseguiu Mateus Mindu, servia de proxeneta e arranjava encontros sexuais para a filha de 16 anos em troca de valores monetários não especificados, tendo numa das ocasiões se envolvido com um cliente, a pedido da própria, sem o uso de contraceptivo, gerando uma gravidez indesejada.