Arranca hoje o processo de imunização de jornalistas contra a Covid-19, com a administração da vacina Covishield doadas à Moçambique através da iniciativa COVAX na cidade de Maputo.

A campanha prevê abranger mais de 700 jornalistas afectos a 63 órgãos de comunicação social.

De acordo com Alice de Abreu, vereadora do pelouro da Saúde e Acção Social no Conselho Municipal da Cidade de Maputo (CMCM), devido à sua profissão, os jornalistas estão expostos a contaminação pelo novo coronavírus, daí a necessidade de imunizá-los com vista a salvaguardar as suas vidas.

A vereadora espera que a vacina proteja os profissionais dos órgãos de comunicação social de infecções moderadas a graves. Referiu que a segunda dose será administrada no mês de Agosto.

Abreu apontou que a vacinação vai decorrer ao nível dos sete distritos municipais, tendo sido identificados sete centros de saúde, num processo que termina quinta-feira (06).

“Os jornalistas deverão nos dias marcados, entre às 08.00 a 14.00 horas, deslocarem-se os centros de saúde de Malhangalene, Xipamanine, 1º de Maio, 1 de Junho, Bagamoio, Katembe e Inhaka, para a imunização contra doença. Cada empresa terá um intervalo de uma hora para receber o imunizante”, explicou.

Apelou aos jornalistas a aderirem ao processo da vacinação, acrescentando que o imunizante não é recomendado para mulheres grávidas e pessoas com sintomas do novo coronavírus. A mesma é indicada para indivíduos acima de 18 anos, incluindo idosos com mais de 65 anos.

Refira-se que Moçambique recebeu a vacina Covishield no mês de Março, através do mecanismo COVAX numa doação da Índia, num total de 484.000 doses.