Início Politica Dissidente da Renamo confirma que Mariano Nhongo vai aderir ao DDR

Dissidente da Renamo confirma que Mariano Nhongo vai aderir ao DDR

Um antigo membro influente da dissidência da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) acusado de ataques no centro de Moçambique disse que Mariano Nhongo, líder do grupo armado, vai em breve deixar as matas e juntar-se ao processo de paz.

Eu confirmo que em breve o presidente Mariano Nhongo vai se entregar, de modo que haja paz no centro de Moçambique. Há contactos em alto nível sobre a saída da Mariano Nhongo das matas, mas não posso avançar detalhes”, declarou André Matsangaíssa Júnior, em declarações à imprensa local.

O antigo membro da dissidência falava durante uma cerimónia que marcava a passagem do terceiro ano após a morte do histórico líder da Renamo, Afonso Dhlakama, na sua terra natal (Mangunde, na província de Sofala) na segunda-feira.

O grupo liderado por Mariano Nhongo é apontado pelas autoridades como responsável pelos ataques armados que já provocaram a morte de pelo menos 30 pessoas desde 2019 em estradas e povoações das províncias de Manica e Sofala, centro de Moçambique.

Matsangaíssa Júnior acompanhou Mariano Nhongo na sua primeira aparição anunciando a criação da Junta Militar da Renamo em 2019, ostentando uma AK47 e uniforme da antiga guerrilha do principal partido de oposição em Moçambique.

Mais tarde, em março deste ano, André Matsangaíssa Júnior anunciou a sua saída das matas após um encontro com o chefe de Estado em Maputo, tornando-se, assim, no terceiro rosto da autoproclamada Junta Militar da Renamo que se rendeu, depois de João Machava e Paulo Nguirande.

A autoproclamada Junta Militar da Renamo contesta a liderança do partido e as condições para a desmobilização decorrentes do acordo de paz assinado entre o chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, e o presidente do principal partido de oposição, em agosto de 2019.

FONTENotícia ao Minuto
Artigo anteriorMexico decreta três dias de luto nacional após acidente de metro
Próximo artigoSuspeita-se problemas estruturais como causa da tragédia no metro do México