Pelo menos 100 estabelecimentos comerciais foram suspensos pela Inspecção Nacional de Actividades Económicas (INAE), de 15 a 28 do mês corrente, por cometimento de várias infracções.

Dos empreendimentos, 62 são do sector comercial, 16 de restauração, 12 escolas infantis, oito barracas e uma indústria.

Dentre as irregularidades verificadas o destaque vai para a superlotação, funcionamento fora do horário estabelecido, falta de condições higiénicas para a realização de eventos, poluição sonora, exercício ilegal de actividade, entre outras.

Rita Freitas, Inspectora-geral da INAE, reportou ontem (30) a fiscalização de 846 estabelecimentos comerciais, entre os quais empreendimentos turísticos, restaurantes, bares, bancas, barracas, mercados municipais, salões de eventos e quintas.

No período em análise, a entidade notificou 119 agentes económicos para os processos administrativos, por cometimento de diversas irregularidades.

A notificação visa apurar o nível de infracção e a definição da respectiva responsabilização em conformidade com a lei.

Avançou que a entidade tem vindo a registar casos de realização de festas de casamento em restaurantes e hotéis, que reúnem mais de 30 pessoas, violando as medidas emanadas pelo Governo, para a prevenção da Covid-19

“A INAE continua a monitorar a realização de cerimónias de casamento, festas particulares em unidades económicas e residências, com vista penalizar os indivíduos que teimam em desobedecer as recomendações das autoridades”, disse.