Início Sociedade Segurança EUA são o “parceiro privilegiado” de Moçambique na luta contra o terrorismo,...

EUA são o “parceiro privilegiado” de Moçambique na luta contra o terrorismo, diz Nathan Sales

O coordenador de contraterrorismo dos Estados Unidos reiterou nesta terça-feira, 8, que Washington quer ser o parceiro priveligiado de Moçambique para derrotar os terroristas em Cabo Delgado, através de iniciativas de foro civil no reforço da ordem e da aplicação da lei.

Numa conferência de imprensa por telefone, depois de ter estado em Maputo na semana passada, onde se reuniu com o Presidente Filipe Nyusi, Nathan Sales reiterou a oferta dos Estados Unidos e disse que “a forma [eficaz] de lutar contra o terrorismo não é mandar mercenários” para o combate, “saqueando recursos naturais”.

Sales respondia a uma questão sobre a “concorrência” da China e da Rússia em África, e defendeu que “os países querem, em todo o mundo, parceria com os Estados Unidos porque trazemos capacidades que ninguém tem, trazemos ferramentas que os Estados precisam para controlar o terrorismo e dissuadir as redes terroristas, ninguém tem esses ascendentes que passam por uma parceira a longo prazo e não pelo envio de mercenários que extraem os recursos naturais e depois desaparecem”.

A abordagem de Washington, segundo aquele diplomática, adapta-se a cada realidade e assenta-se essencialmente no reforço das capacidades de instituições da ordem e da lei, para que sejam capazes de”proteger a população e retirar ameaças do campo de batalha”.

A força da lei e da ordem

No caso de Moçambique, ele reiterou que as capacidades que os Estados Unidos querem reforçar são do foro “civil” e poderão dar “resultados a longo prazo”, como a execução e reforço da lei, a agregação de informações, o uso de provas em tribunal para responsabilizar os autores de ataques e acções para impedir o acesso dos rebeldes às áreas afectadas.

Na conversa com Filipe Nyusi na semana passada, Nathan Sales destacou também a importância de implementar sistemas de segurança fronteiriça, controlo e segurança de portos, marinas e aeroportos.

Questionado sobre o papel da África do Sul, onde Nathan Sales esteve também de visita, ele reiterou ser importante pelo seu peso “económico, militar e como forte democracia que é”.

Sem revelar detalhes do eventual apoio de Washington, o coordenador para o contraterrorsimo dos Estados Unidos resumiu que na conversa mantida com os líderes de Moçambique e da África do Sul, “mostramos que os EUA podem fortalecer essa parceira e os parceiros reconheceram que temos capacidades únicas de combate ao terrorismo e ao reforço do Estado de direito”.

Por outro lado, Sales, entretato, alertou para a “situação humanitária complexa” decorrente dos ataques terrroistas em Cabo Delgado e reiterou que, enquanto se criam infraestruturas para combater os terroristas, há que “atender as pessoas deslocadas e os Estados Unidos estão a trabalhar com o Governo e organizações não governamentais com experiência na resposta humanitária” até que as pessoas possam regressar às suas casas.

FONTEVOA
Artigo anteriorGoverno assegura ter recuperado vila de Quissanga, em poder dos insurgentes desde abril
Próximo artigoEspanha reitera disponibilidade de ajuda militar na luta contra o terrorismo