O Governo assegura que já expulsou dois instrutores por violarem instruendas na escola da polícia em Matalana. Helena Kida, ministra da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, disse que a decisão surge na sequência da investigação desenvolvida em torno do assunto.

O caso agitou os moçambicanos, moveu várias individualidades e instituições dado o arrepio que se gerou. Mas ontem Helena Kida deu a conhecer o possível “desfecho do caso” ao assegurar que “os instrutores que se envolveram com as instruendas, engravidando-as, foram objecto de censura disciplinar, tendo como efeito sido expulsos da corporação”.

Helena Kida disse que explicou que a decisão foi o culminar dos processos disciplinares “que lhes tinham sido insaturados”.

Já para o caso dos agentes da Polícia que estiveram envolvidos na morte de alguns cidadãos na Matola, Beira e Xai-Xai, bem como os autores do vídeo que terá sido posto a circular por alguns agentes da polícia, no qual dois indivíduos teriam sido flagrados em actos sexuais numa viatura, a ministra disse que houve sanções e há, por outro lado, processos disciplinares a correr.

A ministra da Justiça falou também dos raptos. A responsável deu a conhecer que este ano a Polícia deu seguimento a 13 casos de raptos, dos quais quatro na cidade de Maputo, três na província de Maputo e quatro em Sofala e dois em Manica.

Em conexão com os casos, Kida informou que quatro indivíduos foram detidos, alguns dos quais autores confessos com processos-crime a seguirem trâmites no Ministério Público.