O enviado pessoal do secretário-geral da ONU para Moçambique disse no domingo (25), que 25% dos 5.221 guerrilheiros da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição, já foram desmobilizados, no âmbito do processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR).

“Atingimos um marco nas atividades de desmobilização, tendo 25% dos 5.221 combatentes sido desmobilizados”, refere uma nota de Mirko Manzoni.

Manzoni avançou que nas últimas duas semanas foram encerradas mais três bases militares da Renamo e desarmados 366 guerrilheiros nos distritos de Inhaminga, Chemba e Marínguè, na província de Sofala, centro de Moçambique.

Os referidos guerrilheiros concluíram o processo de registo do DDR e voltaram a casa para recomeçarem as suas vidas, referiu ainda o enviado pessoal de António Guterres.

Os antigos combatentes receberam informações para melhor se orientarem, acrescenta a nota.

“Continuaremos a trabalhar de perto com cada um, com as suas famílias e a comunidade em geral em que se inserem, a fim de assegurar que a paz e a reconciliação nacional sejam uma realidade para todos”, refere o comunicado.