Dez funcionários públicos foram condenados penas de prisão de 16 a 20 anos por tráfico de pessoas e órgãos humanos na província moçambicana da Zambézia.

Domingos Julai, porta-voz da Procuradoria da República da província, disse à imprensa pública que entre os detidos estão dois professores, um de Morrumbala e outro de Alto Molócuè.

Ele acrescentou haver outras autoridades da província acusadas do mesmo crime a aguardar julgamento, incluindo Elias Durão, um professor que matou um vizinho de 12 anos de idade para lhe retirar órgãos.

Moçambique tem sido apontado como um mercado fornecedor de órgãos humanos e importante centro de tráfico humano que tem alimentado as redes internacionais.