Um autocarro de passageiros, da estatal Correios de Moçambique, foi metralhado por um grupo armado no início da noite da deste domingo, 30, ferindo os dois condutores, disseram à VOA testemunhas oculares.

O autocarro foi atingido por “rajada de balas” no perfil lateral direito na zona do rio Ripembe, no troço Muxúnguè-Rio Save, em Sofala.

O troço da EN1, a principal estrada de Moçambique tem um histórico de ataques a viaturas civis e militares no anterior conflito político-militar (2012-2016), entre o governo e a Renamo

“Já passavam das 17:00horas locais, quando vimos balas, que se pareciam com carvão acesos e atingiram o pára-brisa e a lateral direito” conta à VOA Ester Lucas, que viajava no autocarro, assegurando que não houve passageiros feridos.

“Os motoristas sofreram. Um foi atingido por balas nas duas pernas” precisou a passageira.

Um dos tripulantes contou à estação privada STV, que a bala atravessou o quadril e alojou-se numa das pernas de um dos condutores.

Depois do ataque, o condutor conseguiu levar a viatura até uma zona segura.

A polícia de Sofala ainda não se pronunciou sobre o novo incidente.

As Forças de Defesa e Segurança passaram a manter uma posição militar no rio Ripembe, depois da trégua no conflito político-militar terminado em 2016.

Este é o primeiro ataque que ocorre no troço entre Save e Muxúnguè, depois do reinício de emboscadas a viaturas nas estradas do centro de Moçambique, que as autoridades, atribuem autoproclamada Junta Militar, um grupo dissidente da Renamo.