Moçambique assinalou o Dia Mundial de Luta contra o Tráfico de Pessoas, com o reconhecimento de que os casos deste tipo de crime tendem a aumentar, mas são pouco reportados.

“Trabalhando na Linha da Frente para Acabar com o Tráfico de Pessoas” é o lema escolhido para este ano.

Este crime tem vindo a assumir contornos preocupantes, diz a jurista Lídia Maduele, do Grupo de Referência Nacional de Protecção da Criança e Combate ao tráfico de Pessoas em Moçambique.

Para aquela jurista, os casos de tráfico de pessoas “tendem a aumentar em Moçambique, mas são pouco reportados pelas famílias e pelos próprios traficados, provavelmente porque ainda não deram conta da gravidade do assunto”.

Há quem diz que este aumento do número de casos de tráfico de pessoas resulte de uma aparente ineficácia das acções de combate a este crime. Contudo, ao nível do Ministério Público, o entendimento é de que as pessoas já denunciam com mais facilidade”.

Entretanto, este ano, aparentemente devido à pandemia da Covid-19, o número de casos relacionados com o tráfico de pessoas diminuiu, diz a polícia moçambicana.

No primeiro semestre, a polícia sinalizou quatro casos de tráfico de pessoas contra seis do período homólogo de 2019.

Várias são as motivações deste crime. entre as quais se destacam a pobreza, causas culturais e o baixo nível de escolaridade.