O serviço de estacionamento rotativo remunerado, na cidade de Maputo, vai adoptar novos métodos de pagamento que incluem o uso de meios electrónicos, no que deverá permitir a melhoria na colecta de fundos por parte do município.

Para tal, a Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento (EMME) acaba de contratar um operador, para numa parceria público privada, com 15 de anos de vigência, instalar e operacionalizar o novo mecanismo de gestão e cobrança do estacionamento.

De acordo com João Ruas, presidente do Conselho de Administração da EMME, nos primeiros cinco anos, o operador privado vai investir cinco milhões de dólares norte-americanos, sendo que já na primeira fase incluirá um aplicativo através do qual o automobilista pode pagar o serviço electrónico com recurso ao telefone celular.

Segundo o jornal Notícias, a Revtec foi seleccionada através de um concurso público, lançado em Dezembro, no qual participaram outras duas empresas, que além de falta de parte de documentação exigida, com destaque para o alvará, apresentaram condições menos vantajosas.

A título de exemplo, numa fase posterior a digitalização inclui a instalação de sensores no pavimento das áreas delimitadas para o estacionamento, os mesmos serão monitorados por satélite ligado a uma sala de controlo em terra.

A firma seleccionada propôs-se a instalar a sala de controlo na EMME, o que vai evitar, por exemplo, a declaração de valores abaixo dos realmente colectados, enquanto as outras duas entidades concorrentes propunham-se a gerir o estacionamento a partir dos seus escritórios.

Outro factor que jogou a favor do seleccionado é o facto de garantir 80 por cento das receitas para a empresa pública, contra as propostas de 41 e 65 por cento dos outros concorrentes, que também iriam investir muito abaixo dos cinco milhões de dólares propostos pelo vencedor, segundo ainda a fonte.