Foi durante as cerimónias do dia 3 de Fevereiro que Manuel de Araújo defendeu em Quelimane, que no novo modelo de descentralização houve uma traição da vontade do povo. 

Na ocasião, De Araújo recomendou que se volte aos princípios da definição da soberania.

Já Pio Matos disse que o fundamental neste processo é o poder estar centrado no povo e que o estado já iniciou com este processo.

A cerimónia do Dia dos Heróis em Quelimane, foi orientada pela secretária de estado.