O novo Governo moçambicano arrancou o segundo mandato de Filipe Nyusi com comentários positivos por parte de analistas que, no entanto, alertam para alguma continuidade, mas surpresas também.

Rufino Sitoi, especialista em relações internacionais, aponta a nova chefe da diplomacia como principal surpresa.

“A nomeação de Verónica Macamo como ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, para muitos de nós chega até a ser surpreendente, apesar de ser muito frequente a presidente do Parlamento ser apontada para um cargo do género”, explicou Sitoi que diz que há espaço para dar um voto de confiança.

“Há quem diz que ela tem alguma experiência dentro do partido como representante das relações exteriores e espero que essa experiência sirva para responder aos desafios de Moçambique, num contexto cada vez mais conturbado da diplomacia internacional” frisou.

Por seu lado, o filósofo Severino Ngoenha também prefere dar um voto de confiança ao novo Executivo, que, para ele, “não deve ser avaliado, simplesmente por nomes”.

O Executivo

O novo Governo foi empossado no sábado, 18, com Carlos Agostinho do Rosário a ser reconduzido ao posto de primeiro-ministro, bem como Adriano Afonso Maleiane, na pasta de Economia e Finança, Ernesto Max Elias Tonela, como dos Recursos Minerais e Energia, e João Osvaldo Machatine, à frentedas Obras Públicas e Recursos Hídricos.

Além da nova chefe da diplomacia, Verónica Nataniel Macamo Dlhovo, há outras ministras no elenco: Carmelita Rita Namashulua (Educação e Desenvolvimento Humano), Helena Mateus Kida (Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos), Margarida Adamugy Talapa, (Trabalho, Emprego e Segurança Social), Augusta de Fátima Charifo Maita (Mar, Águas Interiores e Pescas) e Ivete Maibase (Terra e Ambiente).

Enretanto, continuam no Governo, mas com novos postos Carlos Alberto Fortes Mesquita (ministro da Indústria e Comércio) e Celso Ismael Correia, na pasta de Agricultura e Desenvolvimento Rural.

Nyusi colocou igualmente caras novas em cargos ministeriais: Jaime Bessa Neto (Defesa Nacional), Amade Miquidade (Interior), Armindo Daniel Tiago (Saúde), Gabriel Ismael Salimo, Ciência e Tecnologia (Ensino Superior e Técnico Profissional) e Janfar Abdulai (Transportes e Comunicações).

VOA