Na madrugada do domingo (10), um homem, de 21 anos, atirou na cabeça da companheira e pediu socorro aos vizinhos dizendo que ela, de 19, havia tentado suicídio. Eles tinha união estável. O crime aconteceu em Osasco, na Grande São Paulo.

Uma das testemunhas disse que chamou o resgate  depois de ouvir os gritos de socorro do companheiro, que alegava que ela tentou se matar com um tiro. O suspeito fugiu logo depois.

Ela foi levada à Unidade Pronto Atendimento Vila Menck com vida, mas não resistiu e morreu. O boletim de ocorrência foi registado no 10º Distrito Policial de Osasco e, depois, encaminhado ao 7º DP. O crime será investigado como feminicídio.

Desde 2015 existe uma lei que considera o feminicídio crime hediondo com pena de 12 a 30 anos de prisão. Feminicídio envolve menosprezo ou discriminação à condição de mulher e violência doméstica e familiar. A lei define feminicídio como “o assassinato de uma mulher cometido por razões da condição de sexo feminino”, e a pena prevista para o homicídio qualificado é de reclusão de 12 a 30 anos.

msn