Um homem de 23 anos de idade foi assassinado, no último domingo, no distrito de Gondola, em Manica, por dois indivíduos de 19 e 21 anos. A vítima trabalhava no sector de mototáxi.

O finado respondia pelo nome de Paito João, proprietário de uma mota com a qual fazia serviços de táxi na vila de Gondola.

No domingo, os dois jovens ora encarcerados no Comando Distrital da Polícia em Gondola, fizeram-se passar por clientes e contactaram a vítima para transportá-los até à zona de Bengo, que dista cerca de 10 quilómetros da vila.

Chegados ao destino, os malfeitores espancaram Paito João com recurso a uma corrente grossa e depois o esfaquearem, segundo sua própria confissão.

“Nós solicitamos serviços de táxi a ele. Quando chegámos no Bengo, próximo a um rio, mandámos parar e, daí, começamos a agredi-lo com uma corrente. Ele tentou fugir, mas o apanhámos. Foi daí que o meu amigo tirou uma faca e espectou-lhe na zona do abdómen. Levei a mesma faca e fiz o mesmo”, contou um dos indiciados, revelando que tudo foi motivado pela ganância de ter dinheiro, uma vez que pretendiam vender a motorizada ao preço de 25 mil meticais, na cidade de Chimoio.

A vítima deixou viúva e um bebé. A família exige justiça, segundo Micas Raíce, primo do falecido.

Mateus Mindú, porta-voz da Polícia em Manica, disse que já instaurou um processo-crime de homicídio voluntário qualificado contra os indiciados. Apelou aos operadores de mototáxi para não trabalharem a altas horas da noite e devem, também, encontrar formas de certificar se as pessoas que pretendem transportar são idóneas.

Este é quinto assassinato de mototaxista, de Janeiro a esta parte, em Manica.

O País