A Plataforma de Transparência Eleitoral, uma iniciativa do Instituto para Promoção da Democracia Sustentável em África (EISA), apresentou na manhã da quarta-feira (16), em Maputo, um informe geral das principais incidências que marcaram o dia de votação.

Entre os principais aspectos mencionados pelo grupo de organizações que fazem parte da plataforma, constam ocorrências que consideraram “graves” um pouco por todo país.

“Registarmos casos de intimidação de observadores, com principal incidência no momento da contagem e apuramento, em todo país”, informou Dom Carlos Matsinhe, que apresentou o relatório.

“Em Nampula, Mutava Rex, muitos apresentaram-se embriagados”, avançou igualmente, o clérigo, que depois mencionou os “casos mais agravantes”:

“Em Mocímboa da Praia, Cabo Delgado, um delegado da Renamo foi espancado pela polícia;

Em Angoche, um delegado da Renamo suspeitou uma mulher de portar boletins de voto da Frelimo e, incomodada, a mulher convidou seus filhos para espancar o delegado. Episódio que teve a Intervenção da polícia;” consta do informe.

O documento avança também, que outras irregularidades foram constatadas, tais como de eleitores encontrados com boletins de votos preenchidos pelo partido Frelimo, eleitores que foram vistos a votar em mais de uma mesa e enchimento de urnas, em diversos pontos do país.

De referir que a constatação da plataforma acontece numa altura em que já há resultados preliminares da votação, apontando para Filipe Nyusi e a Frelimo, na dianteira.

O País