A companhia Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) e a sua subsidiária MEX anunciaram a criação uma comissão de inquérito para apurar as causas do despiste de um avião, ao aterrar em Maputo, sem causar feridos.

“Na sequência do incidente, a LAM e a sua subsidiária MEX criaram uma comissão de inquérito interna que será responsável pelo contacto com as entidades competentes para o apuramento das causas”, anunciaram em comunicado.

Um avião Embraer 145 que fazia a ligação doméstica entre Nacala, no norte, e Maputo, com paragem na cidade da Beira, saiu da pista ao aterrar no aeroporto internacional da capital pelas 16:50.

A aeronave saiu para os terrenos que circundam a pista, acabando por ficar imobilizada numa área de arbustos.

“Após a imobilização da aeronave, os 25 passageiros e quatro tripulantes desceram em segurança, sem nenhum ferimento”, refere o comunicado, corrigindo o número inicial de 26 passageiros, por um deles ter perdido o voo.

“No momento de aterragem do voo TM 165 no Aeroporto Internacional de Maputo, a tripulação sentiu um deslize rápido e repentino, tendo tomado de imediato os procedimentos para fazer o movimento inverso, de modo a imobilizar a aeronave”, descreve.

No momento da aterragem do voo, o vento estava à velocidade de 50 quilómetros por hora, acrescenta o comunicado.

O director-geral da LAM, João Pó Jorge, já havia referido antes à Lusa que o vento poderá ter influenciado a descida do avião

Várias zonas de Moçambique estão sob aviso de ventos fortes desde o início da tarde de ontem.

Lusa