Em Tete, três irmãs com idades que variam entre 40 e 63 anos foram assassinadas por indivíduos desconhecidos.

A Chefe das Relações Públicas no Comando da PRM, Deolinda Matsinhe disse que a corporação está a trabalhar na neutralização dos supostos criminosos.

“Suspeitas existem, ainda há um trabalho de investigação. Não podemos trazer dados que possam pôr em causa o decurso normal da investigação. Trata-se de um problema familiar que não começou hoje, já tem havido registo de situações desta família, então, presume-se que essas situações possam estar na origem desta chacina. Dentro da família, as pessoas não conseguem resolver os seus problemas. Temos as estruturas locais, dos bairros e as autoridades policiais, temos os gabinetes de atendimento à mulher e criança vítimas de violência. A população deve recorrer a essas instituições e órgãos para a resolução dos seus problemas e não fazer a justiça pelas próprias mãos ”, disse.

RM