A polícia deteve em Manica uma jovem indiciada de envenenar outra mulher, para se desfazer de um casamento polígamo, num caso passional, que está a intrigar as autoridades, disse à Lusa fonte da corporação.

A jovem, de 20 anos, terá, alegadamente, introduzido uma porção de veneno para matar ratos e baratas num chá, que serviu à rival, com quem partilhava o lar há cinco dias, num bairro da cidade de Manica, na província com o mesmo nome, disse Mateus Mindu, porta-voz do comando provincial da polícia local.

“As duas viviam em casas separadas e a jovem convidou a rival para passarem a viver juntas e no quinto dia dessa convivência, na quarta-feira, envenenou-a com uma porção não quantificada de ‘Ratex’”, explicou Mateus Mindu.

A vítima deixou cinco filhos e era a mais velha no casamento polígamo.

“A jovem alega que não queria partilhar o marido”, precisou Mateus Mindu, sobre a motivação do crime, adiantando que o que “suscita curiosidade é o recurso violento usado para se apropriar do marido”.

Em declarações à Lusa, Cecília Ernesto, activista social da organização não-governamental Levanta Mulher e Siga o Seu Caminho (Lemusica), defendeu que a violência no caso reflecte “traços de transtorno anti-social”, que tem aumentado em jovens submetidos a casamentos polígamos.

Em Manica, são comuns os casamentos polígamos, a maioria arranjados por seitas religiosas, que defendem a prática, mas alguns são desfeitos em conselhos familiares e outros anulados em tribunais.

Jornal Notícias