O Instituto Nacional de Segurança Social (INSS) diz que vai colaborar com as instituições da justiça nacional, para o esclarecimento de tudo o que for necessário para o esclarecimento do caso que culminou com a detenção do seu Presidente do Conselho de Administração, Francisco Mazoio.

Através de um comunicado de imprensa emitido, “os membros do Conselho de Administração, da Direcção Geral e funcionários do INSS” dizem ter tomado conhecimento da detenção judicial do seu PCA, na passada sexta-feira, no quadro das investigações levadas a cabo pelo Gabinete Central de Combate à Corrupção e, e prometem todo o tipo de esclarecimento público necessário, oportunamente.

“Estando ainda o processo a desencadear-se ao nível das instituições de administração de justiça, a quem cabe, em última instância dar a conhecer os factos de acusação, e respeitando o princípio da presunção da inocência legalmente estabelecido na Constituição da República de Moçambique, o INSS aguarda com serenidade pelo desenrolar dos acontecimentos para que, num momento oportuno, possa dar os esclarecimentos julgados necessários” indica o comunicado que tivemos acesso.

Noutro desenvolvimento o INSS refere que “reitera o seu comprometimento com o trabalho realizado pelos órgãos de administração da justiça, visando a explanação de todas as situações que se demonstrem contrárias à política de gestão do Sistema de Segurança Social obrigatória, garantindo, desde já, a sua abertura para cooperar com todas as instituições interessadas para o esclarecimento deste caso”.

Recorde-se que Francisco Mazoio é PCA do INSS desde 2013, tendo entrado na estrutura da entidade gestora do seguro social dos trabalhadores, por indicação da Organização dos Trabalhadores de Moçambique – Central Sindical (OTM-CS), onde desempenhava as funções de secretário para Área de Organização, Administração e Finanças e era um dos administradores do INSS, em representação dos trabalhadores.

O País