A Renamo, principal partido da oposição moçambicana, disse ontem que o seu líder, Ossufo Momade, mantém o comando do braço armado da organização, considerando ‘desertor’ um oficial que ameaçou matar o presidente do partido, se não renunciar ao cargo.

“A pessoa que foi vista na quarta-feira desertou das forças da Renamo, talvez é isso que os moçambicanos não sabem”, declarou o porta-voz da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), José Manteigas, em Maputo, numa conferência de imprensa convocada para reagir à actuação do oficial.

José Manteigas afirmou que o oficial, Mariano Nhungue Chissingue, é um coronel-general do braço armado da Renamo e que depois de ‘desertar’ saiu da serra da Gorongosa, onde se situa o quartel-general do partido.

Sobre a contestação à liderança de Ossufo Momade, o porta-voz do principal partido da oposição assinalou que o líder foi eleito com mais de 65% de votos e detém o controlo do partido e do comando do braço armado.

“As forças da Renamo têm um comando, um comandante em chefe, um chefe de Estado-Maior general”, afirmou Ossufo Momade.

José Manteigas disse que o ambiente na serra da Gorongosa, onde vive Ossufo Momade, é “bom, cordial e de união nas forças inquestionavelmente dirigidas pelo comandante-chefe”.

José Manteigas disse que o partido está empenhado na apresentação da sua candidatura, com Ossufo Momade, às eleições gerais de 15 de Outubro próximo.

A Bola