Residentes da província moçambicana queixam-se do mau atendimento nos hospitais públicos. Autoridades confirmam casos de cobranças indevidas e de funcionários a trabalhar sob efeito do álcool, e prometem punição.

O mau atendimento nos hospitais públicos da província de Inhambane, no sul de Moçambique, é um problema antigo e os casos de cobranças ilícitas são frequentes.

Pinto Nhantumbo, residente no distrito de Inharrime, conta que até há casos de doentes que são obrigados a fazer trabalhos de limpeza para serem atendidos nos centros de saúde. “Cobram valores para mulheres grávidas. As pessoas doentes que vão ao hospital são obrigados a fazer machamba no distrito de Inharrime”, diz este cidadão.

Inácio Bulaque, residente no distrito de Panda, diz que há enfermeiros que se apresentam nos postos de trabalho sob efeito do álcool e que este cenário é comum noutros hospitais rurais de Chicuque, Massinga e Vilankulo. Este utente culpa o Governo pela atitude negativa dos servidores públicos.

“São bêbados os enfermeiros, porque são mal tratados e recebem migalhas. Como que vão se comportar uma vez que o próprio Governo é incompetente?”, questiona.

O porta-voz da saúde em Inhambane, Arlindo Romão, reconhece os problemas existentes, mas desdramatiza a situação. Arlindo Romão promete que os enfermeiros infratores serão penalizados.

DW