Uma equipa de oficiais de alto nível da Força Nacional de Defesa da África do Sul está em Moçambique para analisar com as autoridades nacionais a morte de dois agentes da Polícia da Guarda-Fronteira.

Os militares sul-africanos avançam que o tiroteio que matou os dois polícias moçambicanos aconteceu na “terra sem ninguém”.

A equipa de peritos da Força Nacional de Defesa da África do Sul chegou na quarta-feira em Maputo, dez dias depois de peritos militares da província sul-africana de KwaZulu Natal terem se descolado à fronteira entre os dois países e confirmado a morte dos polícias moçambicanos da Guarda-Fronteira, na tarde de 16 de Junho.

“Nós enviamos uma equipa, que após voltar relatou os factos. Eles confirmaram que houve um incidente”, explica o porta-voz da Força Nacional de Defesa da África do Sul Mafi Mgobozi, citado pelo portal News 24.

A Força de Defesa confirma que nenhum militar sul-africano foi morto ou ferido no incidente, no entanto, explica que por falta de detalhes decidiu enviar uma equipe de alto nível para que o assunto pudesse ser discutido com seus colegas moçambicanos.

“Nossos soldados estavam a realizar uma patrulha de rotina como parte da protecção de fronteira quando o incidente ocorreu”, diz o porta-voz que adianta que para os sul-africanos o tiroteio foi em “terra sem ninguém”, entre a linha de fronteira que divide os dois países.

Fonte da Polícia moçambicana, contactada pela STV, confirmou a presença e o encontro entre autoridades nacionais e sul-africanas em Maputo mas remeteu detalhes para momento oportuno.

O País