Três indivíduos foram detidos pela Polícia da República de Moçambique (PRM) na cidade de Tete, indiciados de pertencerem a grupos de assaltantes à mão armada em residências e de motorizadas usadas para serviço de táxi, segundo escreve a AIM.

A informação foi revelada ontem, na cidade de Tete, em conferência de imprensa, pela chefe das Relações Públicas da PRM nesta província, Deolinda Matsinhe.

A fonte explicou que dois cidadãos estão a contas com a PRM sob suspeitas de terem assaltado uma residência com recurso a armas de fogo no bairro Francisco Manyanga, donde retiraram 850 mil meticais e telemóveis.

Explicou que o grupo era composto por oito indivíduos, seis dos quais encontram-se fugitivos, mas a serem procurados pela PRM, que está a empreender operações de busca e captura, segundo garantiu Matsinhe.

“Cinco dos oito assaltantes introduziram-se no interior da residência, enquanto os outros três vigiavam, depois de amarrarem os dois guardas da casa. Já dentro da casa ameaçaram de morte os que estavam presentes. Uma criança de quatro anos de idade foi também apontada uma arma, porque sabia onde estava guardado o dinheiro, num plástico azul”, explicou.

Deolinda Matsinhe disse achar estranho o facto de os assaltantes saberem que o dinheiro estava embrulhado num plástico azul.
“Aqui há um gato preto. Houve fuga de informação. Por isso, suspeitamos os próprios guardas, que devem ter visto a criança a descer do carro com o plástico de dinheiro”, anotou.

A chefe das Relações Públicas da PRM em Tete assegurou que a sua corporação vai continuar a investigar o caso para se apurar a veracidade dos factos e descobrir quem é que deu as características do local e a sacola que continha dinheiro.

Segundo Matsinhe, o terceiro indivíduo detido é acusado de ter roubado uma motorizada. “Ele fez-se passar por passageiro de táxi-mota. Quando chegou a um local sem movimento, na zona da nova ponte, às 22.00 horas, agrediu o dono da motorizada”.

“Todos os três detidos confessam a prática do assalto, quer na residência, quer de motorizada. Já lavramos os autos a remeter à Procuradora da República, para dar seguimento dos dois casos, pois são processos separados e diferentes”, acrescentou.

Jornal Notícias