Seis funcionários do Serviço Nacional de Migração (SENAMI) de Moçambique vão a julgamento a partir de hoje, na 4ª Secção do Tribunal Judicial da cidade de Maputo. 

Sobre eles pesa o crime de uso de um sistema paralelo de produção de passaportes e outros documentos de viagem falsos.

Entre os arguidos está Cidália dos Santos, detida em conexão com o caso de emissão do passaporte falso com o qual Momade Assif Abdul Satar (Nini) fugiu da justiça moçambicana, até ser capturado na Tailândia.

O esquema foi despoletado quando, no ano passado, foi flagrado um indivíduo conduzindo um “txopela” (moto-taxi) em direcção à fábrica, transportando vários processos para a emissão de passaportes, num esquema alheio à instituição que incluía a recepção dos documentos, o seu transporte e consequente produção do passaporte.

Os arguidos são membros afectos ao sector de atendimento público e à fábrica. Nos envelopes que continham os documentos transportados no referido “txopela” havia indicação de nomes dos remetentes de documentos e receptores na fábrica.

Este caso junta-se a um outro que envolve 20 arguidos, na sua maioria funcionários do SENAMI, que respondem pela emissão fraudulenta de vistos e atribuição de 42 passaportes falsos a igual número de cidadãos nigerianos. Tais nigerianos encontram-se actualmente detidos na China, onde foram surpreendidos pelas autoridades locais, fazendo-se passar por cidadãos moçambicanos.

Folha de Maputo