Armando Ndambi Guebuza, detido fim-de-semana, por alegada participação no escândalo financeiro “Dividas Ocultas”, deve permanecer em prisão preventiva.

A medida foi decidida por um juiz de instrução do Tribunal Judicial de Maputo, após a primeira audição, de cerca de três horas.

Ndambi Guebuza, por intermédio do seu advogado, Alexandre Chivale, disse que é alvo de perseguição política de “alguém que quer ganhar eleições a todo o custo”.

Filho do ex-presidente Armando Emílio Guebuza, Ndambi é o nono detido pelas autoridades moçambicanas em conexão com o escândalo que provocou o corte de apoio financeiro por parte dos principais parceiros e colocou o país numa aguda crise financeira e social.

Relacionado com o mesmo escândalo, as autoridades sul-africanas colocaram nas celas o antigo ministro moçambicano das Finanças, Manuel Chang, procurado pelos Estados Unidos para responder à acusações de crimes financeiros.

VOA