Um mulher de 41 anos de idade está a contas com a Polícia da República de Moçambique (PRM), em Pemba, província de Cabo Delgado, acusada de abortar gravidez e enterrar o feto no quintal na sua casa.

Segundo as autoridades policiais, a indiciada partiu da província de Tete para a cidade de Pemba com o objectivo de participar no funeral do seu irmão.

Durante a sua estadia em Pemba, meses a fios, a visada manteve uma relação amorosa com um homem, do qual engravidou.

O que a mulher não tinha revelado ao seu amante é que ela é casada, tem filhos e um lar por zelar.

Preocupada com a demora da esposa, o marido telefonou para a sua amada perguntando quando é que ela pretendia regressar. A resposta era sempre a mesma: “hei-voltar…”.

Cansado de esperar, o homem optou por ordenar para que a sua consorte regressasse. Vendo-se a apuros, a senhora, mãe de três filhos, decidiu interromper voluntariamente a gravide e enterrou o feto no quintal da casa onde vivia.

Alguns vizinhos, que denunciaram o caso, contaram à Polícia que primeiro o feto tinha sido atirado numa latrina, de onde foi retirado por desconfiar que seria fácil descobri-lo.

A acusada disse que está arrependida, porque, sendo mãe de três filhos e casada, devia ter seguido um caminho diferente e exemplar.

A corporação disse que exemplar deve ser a pena a aplicar contra todas as mulheres que cometem crimes como infanticídio.

@Verdade