O comandante-geral da PRM, Bernardino Rafael, disse que empresas de segurança ao serviço de embaixadas em Moçambique estão a movimentar armas de forma irregular, sem informar a polícia.

“A circulação de armas obedece a regras, facto que nem sempre é acatado pelas empresas de segurança ao serviço destas instituições. Não podemos movimentá-las sem a anuência da Polícia da República de Moçambique (PRM)”, referiu, após um encontro com empresas do sector.

O dirigente denunciou “sistemáticas violações de normas” e acrescentou que a PRM vai “penalizar os infractores”, sem mais detalhes.

No mesmo encontro, Bernardino Rafael, queixou-se igualmente da ausência de comunicação quanto ao transporte de valores.

“Todas as empresas de segurança têm a obrigação de informar a polícia, porque sabemos que há esquemas montados para facilitar o roubo desse dinheiro”, referiu.

Folha de Maputo