Moradores da KaTembe submeteram, na quarta-feira, uma petição à Empresa Maputo Sul para a redução de taxas cobradas na portagem da ponte Maputo-Katembe.

Insustentáveis! É assim que perto de mil moradores de quase todos os bairros da KaTembe consideram as actuais taxas cobradas na portagem da ponte Maputo – KaTembe.

Assim, através de uma petição, os moradores daquele distrito municipal foram reclamar esta quarta-feira e colocar a sua proposta à Maputo-Sul.

“Após a deliberação pelo Governo, das taxas a serem aplicadas pelo uso desta infra-estrutura, verificou–se uma inquietação dos residentes deste distrito, uma vez que as mesmas não são acessíveis ao cidadão comum. Este descontentamento advém do processo de desconto, anunciado pelo Governo, pois os residentes entendem que o sistema adoptado prejudica–os em grandes proporções por não existirem condições financeiras objectivas para o alcance do número requerido de viagens sobre a ponte para que possam beneficiar do desconto, segundo o escalonamento aprovado”, lê-se na petição dos moradores da KaTembe.

No mesmo documento, estes reconhecem que a infra-estrutura custou muito dinheiro, contudo dizem que não se justificam as taxas aplicadas, pelo que: “Apela-se ao bom senso na análise da presente petição, pois ela representa o clamor de desespero e anseio de todos munícipes do distrito. As actuais taxas, principalmente da classe 1, que é a que mais munícipes afecta, é rigorosamente excessiva, insuportável e proibitiva para um bolso já martirizado e sufocado pela carestia da vida”, acrescenta a petição.

O valor mínimo cobrado para o uso da Ponte Maputo-Katembe é de 160 meticais, para viaturas de classe 1 e motorizadas.

Entretanto, a Maputo Sul anunciou modalidades de desconto das taxas, sendo que, de acordo com o documento que O País teve acesso, às viaturas de classe 1 que fizerem 11 a 20 viagens por mês tem um desconto de 7 por cento, ou seja, no lugar de 160, passam a pagar 148 meticais. Quando fazem 21 a 30 viagens por mês tem um desconto de 13 por cento, o que corresponde a um desconto para 139 meticais.

E se comprovam ter feito 31 a 40 viagens por mês, o desconto é de 20 por cento, isto é, pagam 128 meticais.

Quando o uso da ponte chega a atingir 41 a 50 viagens por mês, o desconto é de 33 por cento, o que corresponde a um pagamento de 107 meticais.

E até 60 viagens, o que significa ida e volta todos os dias, incluindo sábados, domingos e feriados, os moradores passam a ter um desconto de 46 por cento. Passam a pagar 86 meticais.

O desconto de 75 por cento só é aplicado para transporte de passageiros e tractores.

Além da Maputo Sul, os moradores da KaTembe vão ainda submeter a mesma petição à Presidência da República, ao Gabinete do Primeiro–ministro e a Provedoria da Justiça.

O País