Alguns académicos dizem que o acto pode significar vontade política para a materialização do entendimento sobre a desmilitarização do braço armado da Renamo.

Dez guerrilheiros da Renamo serão incorporados, dentro de dias, nas fileiras da Polícia da República de Moçambique (PRM) marcando o início do processo de integração de elementos do braço armado do antigo movimento rebelde nas Forças de Defesa e Segurança.

O anúncio foi feito pelo ministro moçambicano do Interior, Basílio Monteiro, num encontro, em Maputo, com várias dezenas de membros e oficiais da polícia moçambicana, que afirmaram estar dispostos a acolher os homens da Renamo e respeitar os que, eventualmente, forem patenteados.

“Vamos receber, nos próximos dias, 10 homens da Renamo. Alguns serão afectos no Comando-Geral da Polícia, outros irão para alguns batalhões da Polícia de fronteira”, disse Monteiro.

Referiu ainda que outros homens da Renamo serão integrados na Polícia Costeira, Lacustre e Fluvial, um ramo policial de elite.

Para alguns académicos, este acto pode significar que há vontade política de se avançar com a materialização do entendimento sobre a desmilitarização do braço armado da Renamo.

Refira-se que há dias, o Chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi patenteou alguns militares da Renamo que já faziam parte das Forças Armadas de Defesa de Moçambique-FADM.

VOA