Cinco indivíduos que faziam parte da antiga comissão de gestão e transferência dos recursos humanos, patrimoniais e financeiros da extinta empresa Transportes Públicos da Beira (TPB) foram detidos entre a tarde da passada terça-feira e manhã desta quinta-feira, na cidade da Beira, por indícios de desvios de cerca de 12 milhões e duzentos mil de meticais, no período entre Outubro de 2015 e Maio de 2017. Para lograrem os seus intentos, os cinco criaram um subsídio ilegal para eles mesmo, através do qual retiravam o dinheiro.

De acordo com o porta-voz Gabinete Provincial de Combate à Corrupção de Sofala, João Chaua, os cinco membros da comissão de gestão foram detidos porque as acções por eles praticadas preenchem, em abstracto, os crimes de peculato e branqueamento de capitais.

Também foi constituído em arguido e detido, o gestor do fundo social dos trabalhadores da empresa por ter desviado 147.000,00Mt porque a sua prática enquadra-se no tipo legal do crime acima citado.

Chaua explicou que foi instaurado um processo-crime com o nº 41/GPCCS/16, cujas diligências traduziram essencialmente na recolha e análise de prova documental e pessoal.

Esta comissão tinha a obrigação de, no prazo de 90 dias, propor aos Ministérios dos Transportes e Comunicações e da Economia e Finanças, os Recursos Humanos, Patrimoniais e Financeiros a passarem para o Município da Beira”.

De referir que integravam a Comissão cinco funcionários provenientes das seguintes instituições: Um Funcionário do Ministério dos Transportes e Comunicações, que ocupava o cargo de presidente; dois funcionários da Direcção Provincial da Economia e Finanças de Sofala que ocupavam cargos de Vice-Presidentes e ainda dois trabalhadores da extinta Empresa dos Transportes Públicos da Beira.

“A detenção não é o fim do processo, pois vai seguir a fase da acusação e remessa ao tribunal para uma decisão final”, terminou Chaua.

O País