Mais de seis mil pessoas estiveram esta quarta-feira (09) na cidade da Beira para dizer adeus ao líder da Renamo, Afonso Dhlakama que faleceu na passada quinta-feira (03).

As cerimónias fúnebres decorreram no largo da estação dos Caminhos de Ferro de Moçambique, que foi pequena para receber os residentes e os políticos, diplomatas e figuras públicas.

O corpo do líder histórico da Renamo foi velado por quatro militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique.

No local, foram vários os discursos que destacaram a dedicação de Afonso Dhlakama na luta pela democracia.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, sublinhou que Dhlakama é uma figura que fica para a histórica do país e garantiu que tudo fará para que as conversações de paz que começou com Dhlakama continuem agora com a nova liderança do maior partido da oposição.

“A partida prematura do nosso compatriota não deve constituir um revés neste processo de diálogo. Estaremos honrando a sua memória se soubermos concluir um responsável e célere diálogo político que agora se encontra sobretudo centrado no processo de descentralização, do desarmamento, da desmobilização e da reintegração”.

DW

COMENTE PELO FACEBOOK