O Candidato da Renamo à presidência do Conselho Municipal de Nampula, Paulo Vahanle, ganhou a segunda volta da eleição intercalar realizada na quarta-feira, com 58% dos votos. O candidato da Frelimo, Amisse Cololo, obteve 42% dos votos. A participação dos eleitores aumentou para 32%, contra 25% da primeira volta.

Na primeira volta, realizada a 24 de Janeiro último, o candidato da Frelimo obtivera 44% dos votos, acima dos demais 4 candidatos, mas foi insuficiente para ser declarado vencedor, uma vez que o sistema eleitoral moçambicano é de maioria absoluta (50%+1).

Entretanto, a plataforma da sociedade civil Votar Moçambique emitiu o seu relatório sobre o processo de votação que levanta as seguintes questões críticas à organização e condução do processo eleitoral:

– Atrasos de até 3 horas por falta de alguns materiais tais como tinta indelével e cadernos eleitorais em algumas mesas. Estes casos aconteceram, por exemplo, na EPC Nthota, EPC de Apea e EPC de Murrapaniua;

– Ainda sobre o inicio tardio do processo de votação, destaque para uma mesa em que tal sucedeu por se ter encontrado boletins de voto da primeira volta;

– Registo de casos de falta de nomes de eleitores nos cadernos, embora alguns tenham votado nas mesmas mesas na primeira volta e ainda serem portadores dos seus cartões. Em alguns casos os técnicos do STAE não conseguiram resolver estas situações, o que impediu parte dos eleitores de votarem;

– Um indivíduo identificado como secretário do Partido Frelimo foi encontrado na posse de 40 boletins de simulação de voto nas proximidades das mesas da Assembleia. Interpelado, o referido indivíduo não conseguiu explicar porque razão ele estava no local com aquele material, tendo sido neutralizado e entregue às autoridades. O mesmo individuo foi flagrado com boletins de voto preenchidos numa barraca denominada “O Cantinho da Lola”, que se situa nas proximidades do local de votação da EP1 Nthota;

– Simpatizantes dos dois partidos exibiram material de campanha durante o processo de votação.

@Verdade