Dois indivíduos de nacionalidade nigeriana estão a contas com a Polícia da República de Moçambique (PRM), por posse ilegal de arma de fogo do tipo pistola. Não obstante, ambos são emigrantes ilegais, sem nenhum documento que lhes permite viver em Moçambique.

O Porta-voz da PRM no Comando da Cidade de Maputo, Orlando Mudumane disse que para este caso “todos os procedimentos processuais estão a decorrer no sentido de a qualquer momento serem repatriados para o seu país de origem”.

Entretanto, os dois indivíduos negam as acusações que pesam sobre si  e afirmam que entraram legalmente em Moçambique, porém, tiveram o azar de perder os seus passaportes.

“Eu tinha permissão para estar em Moçambique mas perdi o meu passaporte. Nunca fui reportar o caso as autoridades policiais porque não conheço os procedimentos daqui. Pedi ajuda a minha família e até agora ninguém se manifestou. Não sei o será de mim porque não tenho nenhum parente aqui, nem alguém com quem falar”, disse um dos indiciados para depois acrescentar: “não sei de nenhuma arma de fogo, eu vim para Moçambique para gerir uma pequena loja no bairro de Hulene e esse é o único trabalho que executei aqui até agora”.

20140804_113144[1]

Este caso foi revelado pela PRM no habitual briefing semanal com a imprensa visando dar a conhecer a situação criminal referente as últimas 72 horas, onde igualmente foram registados cinco casos criminais.

Destes casos, três foram de crime de subtracção de veículos com recurso a chaves falsas, um de roubo de viatura com recurso a arma de fogo e um homicídio qualificado.

O homicídio qualificado ocorreu as 23.00h do dia 31 de Agosto no bairro do Zimpeto, em que indivíduos não identificados, com recurso a arma de fogo, alvejaram mortalmente um jovem de 27 anos e depois abandonaram o corpo sem vida numa viatura e puseram-se em fuga.

O roubo ocorreu no bairro da Coop em plena pública, em que indivíduos não identificados ameaçaram a vítima apoderaram-se da sua viatura.

Do trabalho levado a cabo nesta semana a polícia conseguiu esclarecer três casos e duas das quatro viaturas que os meliantes haviam roubado foram recuperadas.